• Editora Sucesso

A importância da Fisioterapia para Gestantes




A fisioterapia pode ajudar na prevenção de dores como a lombalgia, muito comum na gestação

Estima-se que 50% das mulheres grávidas sentem a lombalgia, dor lombar que irradia para glúteo ou perna e que se caracteriza sendo a principal enfermidade que surge nesse período. Isso acontece porque o centro da gravidade é alterado por conta do aumento das mamas, do útero, diminuição do arco plantar do pé e aumento da frouxidão ligamentar. Esses fatores, segundo o Dr. Edson Santiago, corroboram para o aumento do risco de queda. “Ocorre também na gestação, o aumento da produção do hormônio relaxina, que deixa as articulações mais frouxas e aumenta os riscos de torções e lesões. Conseguimos através da fisioterapia, com exercícios específicos, uma melhora significativa”, complementa Santiago, fisioterapeuta especialista em musculoesquelética e Pesquisador em Dor pela Santa Casa de São Paulo. Formado pela FMU- Faculdades Metropolitanas Unidas de São Paulo, especialista em neurociência, o médico é um estudioso incansável sobre a dor crônica. Habilitado no modelo biopsicossocial, que visa estudar a causa ou o progresso de doenças utilizando-se de fatores biológicos, fatores psicológicos e sociais, Edson Santiago já atuou no Hospital do SEPACO na área de ortopedia.


Na gestação, as dores aumentam

Mulheres que já sofriam com a dor lombar antes da gravidez, com a gestação, têm um aumento da intensidade agravada conforme a idade gestacional, por isso, cada caso deve ser analisado de forma individual. Após uma avaliação cinético funcional realizada por meio de questionários, testes e avaliação física, é traçado o plano terapêutico que envolve técnicas que visam o alivio da dor, e exercícios específicos para reabilitar as disfunções identificadas na avaliação. Também são realizados exercícios que tragam funcionalidade do dia a dia, como levantar e sentar em uma cadeira, subir e descer escadas, abaixar e levantar, por exemplo.

A gestação é um momento único na vida de toda mulher, um período mágico, de amor incondicional, mas que também envolve uma série de mudanças físicas, fisiológicas e emocionais no organismo, que já começa a se preparar logo após a fecundação para receber esse novo ser, e a fisioterapia pode ajudar a tornar essa fase muito mais fascinante, dando mais qualidade de vida à mãe e o seu bebê.

Atua também no Instituto Trata e no Centro de Integração Postural - CIP, onde amplia sua especialidade de forma diferenciada e centrada no bem-estar dos pacientes. Ajuda pessoas com dores crônicas, no joelho e quadril, a desenvolverem suas atividades da melhor forma possível, tendo assim, qualidade de vida saudável e livre das suas limitações.



Publicidade