• Editora Sucesso

Asperger: entenda a síndrome e seus sinais mais comuns

É muito importante que os pais observem os comportamentos de seus filhos desde a infância




Conhecida pela sigla SA, a síndrome de Asperger é uma alteração no desenvolvimento de uma pessoa, que acaba por afetar suas habilidades de socialização, seu contato com o mundo externo e sua capacidade de expressar suas emoções. Pouco ainda se sabe sobre a condição. Por ter um diagnóstico demorado e características mais leves, muitos ainda não conseguem reconhecê-la.


Alguns sinais, entretanto, podem ser observados ainda na primeira infância. “A criança com Asperger vai ter interesses restritos, é comum que ela fique fascinada por determinado assunto ou objeto e passe a focar nisso por um bom período. Imagine uma criança que demonstra um enorme interesse por trens, ao ponto de saber muito sobre eles. Essa criança não apresenta alterações em seu aprendizado, pelo contrário, ela busca a fundo saber sobre o que lhe interessa. Muitas vezes, esses traços passam despercebidos aos olhos dos pais”, afirma Dr. Paulo Scatulin Gerritsen Plaggert, neuropediatra da Rede de Hospitais São Camilo de São Paulo.


É comum que essas crianças falem da forma correta e tenham discursos ricos nesse sentido. Mas, ao mesmo tempo, são pessoas sem filtros sociais em seus diálogos. “Na infância, essas características também passam despercebidas, mas na fase adulta podem ficar mais evidentes. Quem tem a síndrome costuma ter dificuldade em entender palavras de duplo sentido, os significados por trás das coisas, as intenções e os tons. Tudo isso interfere nas interpretações desse sujeito e na sua forma de socializar”, acrescenta o especialista.


Dificuldade em realizar contato visual, propensão a ser uma pessoa sistemática, metódica, seguir rotinas à risca e tendência ao isolamento social também são particularidades de quem vive na pele a Asperger. “É necessário observar a criança, suas atitudes e comportamentos. Para, a partir disso, ter a orientação correta de algum profissional. Pediatras, psicólogos e psiquiatras podem conduzir os pais da melhor maneira”, explica Dr. Paulo. É importante enfatizar que a síndrome não é uma doença e sim um espectro do autismo. A condição não tem cura, mas pode ser tratada. “É comum que essas pessoas também sofram com ansiedade ou falta de atenção. Medicamentos podem ser utilizados para tratar esses sintomas, mas não a síndrome em si. Investir em psicoterapia cognitivo-comportamental pode ser um caminho interessante para que essas pessoas possam se entender melhor e entender o seu entorno”, finaliza o médico.



16 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
Publicidade