• Editora Sucesso

Tipos de Fisioterapia Neonatal e Pediátrica

Atualizado: 17 de Abr de 2019



Fisioterapia Pediátrica Ambulatorial

O foco dos profissionais de saúde em nível ambulatorial nos pacientes neonatos e pediátricos é a estimulação ao Desenvolvimento Neuromotor, através de diversos procedimentos e terapias. Existe uma série de doenças e condições congênitas /adquiridas que ampliam a atenção e o cuidado do fisioterapeuta durante o processo de reabilitação, ou seja, independente da condição de base destes pacientes, o Desenvolvimento Neuromotor é uma das prioridades.


Fisioterapia em Neuropediatria

O tratamento de pacientes pediátricos com doenças ou lesões neurológicas é regulamentado por uma especialidade distinta daquela abordada anteriormente. A Fisioterapia Neurofuncional Pediátrica é responsável pela regulamentação das ações do fisioterapeuta em pacientes com este perfil, e consiste em técnicas que envolvem a psicomotricidade, a estimulação precoce, o Desenvolvimento Neuromotor e a melhora na amplitude de movimento articular, equilíbrio, coordenação motora, propriocepção e força.


Doenças e Lesões Tratadas pela Fisioterapia Neurofuncional Pediátrica

No âmbito clínico, o fisioterapeuta se depara comumente com as seguintes condições clínicas:


  • Paralisia Cerebral;

  • Distrofia Muscular de Duchenne;

  • Paralisia Braquial Obstétrica;

  • Hidrocefalia;

  • Síndrome de Chiari.

  • Paralisia Cerebral:





A classificação da Paralisia Cerebral é a seguinte:

  • Espástica (lesão do córtex motor);

  • Extra-piramidal (lesão nos núcleos da base);

  • Atáxica (lesão cerebelar).

Os pacientes pediátricos com esta condição podem manifestar hemiparesia (perda parcial da contratilidade muscular em um hemicorpo), diparesia (perda da contratilidade muscular com predominância em membros inferiores) e tetraparesia (diminuição da contratilidade muscular em todos os membros. O tratamento fisioterapêutico deve ser individualizado.


Distrofia Muscular de Duchenne:

É uma doença originada por uma mutação genética, que compromete a proteína distrofina (encontrada no tecido conjuntivo que envolve os músculos), levando a uma perda progressiva da força muscular de maneira geral, levando ao óbito normalmente por quadros de insuficiência respiratória.


É uma doença rara, com incidência aproximada de 1 a cada 4000 pessoas (do sexo masculino), mas que pode ser tratada pela fisioterapia para retardar a evolução dos sintomas e aumentar a sobrevida.


Paralisia Braquial Obstétrica:

Consequência de partos complicados, onde ocorre uma lesão das raízes nervosas que compõem o plexo braquial. Quando há movimentação ativa, a mesma é realizada em bloco, e o padrão postural do membro superior é em rotação interna, pelo comprometimento do movimento de rotação externa.


O paciente normalmente não consegue movimentar o ombro, e o fisioterapeuta através de técnicas manuais (em situações sem indicação cirúrgica) pode auxiliar na prevenção de deformidades, que são inevitáveis durante o crescimento caso o paciente não seja submetido ao tratamento adequado.


Hidrocefalia:

O liquor é um líquido que protege o cérebro e transporta nutrientes, e o aumento de sua produção por alguma razão representa a causa da hidrocefalia. O liquor produzido em condições normais varia entre 20-25mL/h.


O principal sintoma é o aumento da pressão intracraniana por aumento do liquor nos ventrículos, levando em muitos casos a lesões neurológicas que podem cursar com perda de força muscular, equilíbrio e propriocepção. A incidência da Hidrocefalia congênita é relativamente alta (entre três a cada 1000 nascidos vivos), e o diagnóstico e tratamento precoces são importantes para melhores desfechos.


Síndrome de Chiari:

Identificada por dor suboccipital intensa, que piora diante das manobras de valsalva, irradiando para a região anterior do crânio, além da produção do nistagmo (movimentação involuntária do globo ocular). Há perda de força em membros superiores e membros inferiores, acompanhada de alterações na sensibilidade.


Está relacionada ao deslocamento das tonsilas (Chiari tipo I), que passam a comprimir a medula espinhal. Como consequência, observa-se perda da capacidade térmica e dolorosa com manutenção da sensibilidade tátil, bem como atrofia dos músculos lumbricais da mão, hiperreflexia e sinal de babinski.

https://blogfisioterapia.com.br/fisioterapia-pediatrica-e-neonatal/

24 visualizações
Publicidade